Author Topic: G.O.E.  (Read 7954 times)

0 Members and 1 Guest are viewing this topic.

Offline Pedro Barbosa

  • Lenda
  • *****
  • Posts: 3340
  • Liked: 188
  • God judges our enemies, we arrange the meeting.
    • View Profile
G.O.E.
« on: February 11, 2008, 01: 54 »
INTRODUÇÃO
Grupo de Operações Especiais - GOE - É a unidade de operações especiais da Policia de Segurança Pública(PSP)


Em 1978, a Quinta das águas Livres foi adquirida começando então a construção dos trabalhos nas infrastruturas necessárias para organizar as actividades de instrução e de acomodação dos elementos que formariam o futuro grupo operacional. Ao mesmo tempo começaram os estudos para a criação dos GOE e, com a cooperação do governo britânico, e graças aos esforços do Governo chefiado pelo Dr. Mota Pinto, elementos do 22nd Special Air Service Regiment (SAS) vieram para Portugal para terinar e começar a formação de um grupo de policia capaz de conduzir missões anti-terroristas.


Em 29 de Março de 1982, o primeiro COE - Curso de Operações Especiais começou. O curso acabou a 18 de Novembro desse mesmo ano a unidade foi considerada totalmente operacional e com capacidade de intervenção desde o final de 1982, embora tivesse formalmente criada em 1979. Como resultado da aproximação entre os britânicos SAS e os portugueses GOE, as imagens dos primeiros agentes era dificil distinguir entre britânicos e portugueses por os seus uniformes, equipamento e armas serem idênticos.

Mais tarde, o GOE, ainda mantinha uma forte relação com o SAS, e começou também a treinar com Delta Force dos Estados Unidos, GSG-9 da Alemanha, Unidades Anti-Terroristas da Guardia Civil de Espanha e Unidades Anti-Terroristas de Israel. As capacidades dos GOE foram testadas em Junho de 1983, quando um Comando Arménio, usando carros alugados, invadiu a residência do embaixador da Turquia matando um agente da PSP que fazia parte da equipa de segurança da embaixada, e fazendo reféns o resto das pessoas reféns. O Primeiro Ministro Mário Soares, deu ordem aos GOE para tomarem o edifício. Antes desta tentativa, os terroristas acidentalmente fizeram explodir os engenhos que estavam em seu poder, resultando na morte de 4 terroristas e uma pessoa ferida (a mulher do embaixador), esta foi a versão oficial dos acontecimentos.

Desde esse momento, missões foram delegadas aos GOE. Após 1991, elementos operacionais dos GOE, conjuntamente com ex-operacionais, iniciaram missões de protecção de representantes diplomáticos portugueses e instalações em países estrangeiros onde situações instáveis ou confictos armados punham essa representação em perigo. O nível dos operacionais enviados para esses cenários depedende da situação. O GOE também interveio na evacuação de cidadãos portugueses quando foi necessário: em 1992 em Luanda (Angola), em 1991 e 1997 na Rep.Democrática do Congo(ex-Zaire) e em outros países tais como Guiné, África do Sul, Argélia, Macau (China) e Bósnia.

Nessas missões, foram confrontados com tentativas de forçar a entrada nas delegações diplomáticas por elementos armados; a situação mais séria deu-se em 1997 no Zaire e em 1998 na Guiné; quando uma granada foi lançada para dentro da embaixada onde estava a equipa de segurança. Em 2005 foram também enviados para a Árabia Saudita e Iraque para proteger as embaixadas de Portugal e pessoal em ambos os países.

Os GOE também executam missões de protecção de VIPS e altos dignatários do estado, cooperando com outras unidades da PSP na criação de cordões de segurança e na selecção de atiradores furtivos(snipers) em missões de observação, busca e detecção de terroristas snipers. Outra actividade no qual o GOE participa é na cooperação com as Brigadas Anti-Crime, onde participam em missões de vigilância e na entrada em instalações fortificadas onde existam armas traficantes de droga.

Missão:

Os GOE devem:

  conduzir acções ofensivas, independentes, benificiando do efeito surpresa devido á rapidez da acção, possuir um espirito de iniciativa e uma grande determinação, para manter na ordem os malfeitores;

 na hipótese de casos com reféns, eles devem participar nas negociações, neutralizar os autores e de libertar os reféns sem importar qual o tipo de decisão.

Eles esgotarão todos os meios para facilitar as negociações ou então partirão para uma eventual intervenção.
       
SELECÇÃO :

Para se ser membro dos GOE, deve-se ser voluntário e medicalmente apto, realizar uma série de testes psicotécnicos particularmente duros.

Os seus primeiros obstáculos, são as provas desportivas, similares ás dos Pára-Quedistas e Comandos. De notar que a maior parte dos membros dos GOE fizeram o seu serviço militar obrigatório numa unidade de elite do Exército Português - Forças Especiais em Lamego, Pára-Quedistas, Comandos na Amadora, e Fuzileiros.

A última prova a satisfazer antes de começar o treino típico dos GOE é uma série de exercicios de tiro, com pistola,  e espingarda. Estas provas realizam-se após esforço, em alguns casos após uma caminhada de muitos Quilómetros em terreno acidentado.

Vinte em Mil

Depois de ter passado os primeiros obstáculos, o jovem voluntário vai enfrentar um período de treino de 8 meses. O recrutamento tem lugar de dois em dois anos. Em 1000 voluntários, apenas uma vintena finaliza como elementos operacionais dos GOE. Todos os seis meses, o jovem policial deverá fazer um teste tanto físico como psíquico para ver se continua apto para permanecer no seio da unidade.

EXERCICIOS:

Os GOE é acima de tudo uma unidade anti-terrorista. Ela deve ser capaz de intervir rápidamente não importa qual o local do território português em qualquer tipo de sítio(aviões, comboios, autocarros, casas, imóveis, barcos etc...)

Para prevenir estas situações os membros dos GOE treinam dentro de comboios e aviões que são disponibilizados pelas companhias nacionais, ou em casas e imóveis construídos no seu campo de treino. Todos os tipos de armas são utilizados: espingardas de assalto para fazer saltar as portas das casas, pistolas-metrelhadoras HK MP-5 com ou sem sileciador, lança-granadas a gás, pistolas automáticas de 9 mm e Desert Eagle 357 Magnum. As armas podem estar equipadas com equipamento de visão nocturna ou indicador laser.

O treino físico é regular e intenso: caminhadas, natação, percursos de risco, passagem de liana em liana, escalada de imóveis, exercicios de descida rápida de helicóptero, rappel várias vezes por mês.

Todos os dias desenrolam-se exercicios de tiro. Sendo um particularmente espectacular, é o típico dos GOE, o Face a Face. Entre cada grupo , 20 metros, e cada homem de cada grupo fica a 2 metros do seu colega. No intervalo: um alvo. ao sinal de fogo, atira-se sobre o alvo que se encontra em frente. O interesse do exercicio é duplo: ele permite verificar o auto-controlo de cada um, e treinar para uma operação de tiro cruzado. Pensado para uma intervenção a bordo de um avião comercial ou de um vagão de comboio.

Cada membro dos GOE é também um atirador de élite. Um único elemento por grupo - um grupo possiu seis elementos - é desnhado para este tipo de trabalho. As distâncias de tiro regularmente aplicadas nos exercicios vão de 30 a 500 metros.

Exemplo de uma missao:

Um Assalto a um Avião

São 11 h 30m, algures em Lisboa. Os policias do Grupo de Operações Especiais(GOE) do Ministério da Administração Interna preparam-se para almoçar. Á mesma hora, a bordo de um Tristar da Companhia Aérea Nacional TAP, um grupo de terroristas toma conta do avião e prende a tripulação e faz 250 passageiros reféns. O avião que devia posar em Lisboa é desviado para Faro, no Sul do país.

Ás 11 h 45 m , o alerta é dado ao Ministério da Administração Interna. O caso é sério, muito sério. Um gabinete de crise é formado, são 12 horas. Qinze minutos depois, a decisão é tomada, somente o GOE tem a capacidade de resolver o problema. 12 h 30m, nas casernas do GOE.
A sirene toca, não se trata de um exercicio. Imediatamente, o grupo de alerta precipita-se para os seus Land Rover e camionetas Mercedes: em direcção á casa de armas.
Em algumas dezenas de minutos, juntam o material necessário á operação.
Durante esse tempo os outros membros em dispensa num sector próximo de Lisboa são avisados para se juntarem por <<Bip>> ás 13h45m na Base Aérea do Montijo.
 
Os Veículos são carregados. Todas as Sirenes tocam, tomando a direcção do Montijo.
   
Avisam a base aérea para numa hora, ter um Hércules C-130 para levar para Faro o Grupo de Operações Especiais.

A direcção geral da TAP, faz descolar de Lisboa um Tristar idêntico em todos os aspectos ao avião desviado. Este avião vai servir para os GOE treinar uma última vez para um eventual assalto ao avião desviado. Apesar de terem treinado em todos os aviões da TAP, mais uma última verificação não vai fazer mal. No Ministério da Administração Interna recolhem-se todas as informações sobre os terroristas. Estas informações são imediatamente transmitidas ao GOE.

São 15 horas em Faro quando o C-130 aterra com inversão das hélices. A porta traseira se abre, os Land Rover e pesados Mercedes surgem com homnes vestidos de negro, armados de pistolas-metrelhadoras HK MP-5.

Os homens do GOE seguem para a porta do comandante. Os atiradores especiais posicionam-se á volta do avião em lugares estratégicos. Todos permanecem em contacto por rádio.

Uma última repetição

16 horas, depois de uma última repetição sobre o segundo Tristar, o grupo é posto em stand by. Somente o ministro pode dar a ordem de ataque. Ele só a pode dar sob duas condições. A primeira se os terroristas começarem a matar os reféns: será necessário um assalto de urgência. A segunda se após demoradas conversações , não se vislumbrar uma saída. 
    
Os Goe tentam fazer uma ideia mais precisa sobre os terroristas. Eles são no mínimo cinco, e quatro deles podem ser identificados.

Ás 18 horas, a tensão está montada no avião, um refém foi mesmo executado.

A ordem de assalto foi dada ás 17h30m, os terroristas libertaram as mulheres e crianças. Restam portanto 135 pessoas reféns.

O sol vai se pondo sobre o aeroporto, são19 horas. As conversações estão em  curso entre os terroristas e o Governo Português.

Para a Traseira do Avião

São 23 horas: os elementos do GOE que no momento de alerta não estavam em Lisboa chegam a bordo de um segundo C-130. A unidade está práticamente completa. Somente um grupo fica de reserva em Lisboa para o caso de acontecer outra crise.


Ás 2 horas da manhã, a fadiga faz-se sentir. Os homens estão estendidos sobre as suas camas de campo. Eles sabem que podem ficar á espera muitos dias.

Mais, a identidade dos terroristas leva a pensar que eles podem tornar-se muito violentos. A ordem de ataque vai chegar em dois minutos.
As viaturas aproximam-se cerca de 500 metros do avião. Os homens fazem saír as escadas. O avião vai ser abordado pela traseira.
Os grupos vão de seguida colocar sob a fuselagem e em posição sob cada uma das portas do Tristar e sobre o trém dianteiro.

Ás 2h17, os comandos do GOE estão em posição, contacto rádio permanente. As escadas são colocadas contra a carlinga. E os homens sobem sem barulho.
   
2 horas e 18 minutos e 20 segundos, o <<topo>> é dado pela abertura das portas pelo sistema exterior de socorro. A entrada no avião é imediata; a cabine está numa obscuridade total. Os homens do comando estão todos equipados com aparelhos de visão nocturna.

2 horas e 18 minutos e 23 segundos, abertura do fogo. Os terroristas não veêm nada, três deles estão mortos. Dois outros são imobilizados e um sexto faz do piloto refém. Ele tenta saír. O atirador especial dos GOE a 300 metros do avião acompanha a acção e atira sob ordem do chefe de comando. Uma bala entre os olhos , e o último terrorista tomba.


2 h20 m a operação termina. Com o saldo: de quatro terroristas mortos, dois prisoneiros e três reféns ligeiramente feridos durante o tiroteio. Os GOE demontraram a sua eficácia. Apesar do que estamos descrevendo não passe de uma ficção, ela demonstra o que se passará se um dia uma situação desta natureza acontecer em Portugal.

Cracha do operacional



Cracha da Especialidade



http://www.youtube.com/v/1XThzhP_X64&rel=1
http://www.youtube.com/v/3g8qLhhdTiQ&rel=1

Offline Filipe Galego

  • Fundador
  • Lenda
  • ******
  • Posts: 28247
  • Liked: 413
  • Do you like what you see? Join us!
    • View Profile
    • PTSims
  • Simulation Hardware: Fanatec GT2+G25 pedals+CH full Hotas+TrackIR4Pro
Re: G.O.E.
« Reply #1 on: February 11, 2008, 13: 56 »
 :clapping: :clapping: :clapping: :clapping: :clapping: :clapping: :drinks: :ok:

Offline japmm

  • Novato
  • *
  • Posts: 1
  • Liked: 0
    • View Profile
Re: G.O.E.
« Reply #2 on: June 16, 2008, 23: 23 »
Quote from: speg link

Democrática do Cong

 De notar que a maior parte dos membros dos GOE fizeram o seu serviço militar obrigatório numa unidade de elite do Exército Português - Forças Especiais em Lamego, Pára-Quedistas, Comandos na Amadora, e Fuzileiros.






Mas nos dias de hoje, a melhor maneira de comçar um caminho em direcção aos G.O.E. seria pela PSP certo? e como agente ou oficial?
Muito Obrigado =)

Offline Marcio Sousa

  • Veterano
  • ****
  • Posts: 1120
  • Liked: 6
    • View Profile
Re: G.O.E.
« Reply #3 on: June 17, 2008, 05: 08 »
Antes de mais, para pertencer ao GOE, tens de ser obrigatoriamente agente da PSP ou agente da GNR (sim, a GNR também tem o seu GOE)

É claro que as preferências durante a selecção, passa por oficiais em que tenham feito o serviço militar em alguma unidade de elite do exercito, Ranger, Comando, Boinas Verdes (Para-Quedistas), DAE (Destacamento de Acções Especiais (Fuzileiros)), etc.
Marcio Sousa - Playteam

Offline Pedro Barbosa

  • Lenda
  • *****
  • Posts: 3340
  • Liked: 188
  • God judges our enemies, we arrange the meeting.
    • View Profile
Re: G.O.E.
« Reply #4 on: June 18, 2008, 04: 48 »
na mouche marcio ;)

Sem duvida k dao preferencia a forças especiais, o corpo de operaçoes especiais da G.n.R. é o C.o.E.

G.O.E.= Grupo de operaçoes especiais
C.O.E.= Companhia de operaçoes especiais

Um video ;)


! No longer available
« Last Edit: August 29, 2016, 10: 04 by Nuno Basto »

Offline GurkhaPT

  • Novato
  • *
  • Posts: 4
  • Liked: 0
  • Bem vindo à PTSims. Esperamos que gostes da nossa comunidade. Não te esqueças de passar na zona da apresentação para te dares a conhecer à comunidade.
    • View Profile
  • Simulation Hardware: Teclado e Rato... para o arma 3
Re: G.O.E.
« Reply #5 on: August 29, 2016, 03: 30 »
Os GOE tiveram o seu teste de fogo, ou Baptismo de fogo digamos na embaixada da Turquia atacada por terroristas Arménios, morreu a mulher do Embaixador 1 policia e 5 terroristas. Total de 7 casualidades.
É claro que todos nós gostariamos de uma operação limpinha, mas em 1983 o conhecimento sobre terrorismo, treino e até o terrorismo era uma novidade, por isso dou 5 estrelas aos nossos GOE.

Offline Nuno Basto

  • TheBigOne014
  • Lenda
  • *****
  • Posts: 14409
  • Liked: 525
  • ArmA 3 é o meu vício!
    • View Profile
  • Simulation Hardware: CPU: i7-2600K@4.7Ghz | RAM: 32GB@2133Mhz | GPU: GTX 1070 8GB |
Re: G.O.E.
« Reply #6 on: August 29, 2016, 10: 04 »
Não sabia! ;)