Author Topic: WTCC – REVOLUÇÃO À VISTA?  (Read 1696 times)

0 Members and 1 Guest are viewing this topic.

Offline Rúben Almeida

  • Membro
  • **
  • Posts: 283
  • Liked: 98
  • Ruben "kidCries" Almeida
    • View Profile
    • KidCries Facebook
  • Simulation Hardware: Asus M5A97 R2.0 - AMD FX-8320 - AMD Radeon R9 280X 3GB - Kingston HyperX Fury DDR3 2x4GB 1600MHz - Logitech G25 Wheel - T3PA Pedals - Obutto Ozone
WTCC – REVOLUÇÃO À VISTA?
« on: October 21, 2016, 14: 19 »
WTCC – REVOLUÇÃO À VISTA?


Não há fumo sem fogo e os rumores têm ganhado uma dimensão cada vez mais considerável. O WTCC está numa fase complicada e precisa de rever o seu rumo o mais depressa possível, correndo o risco de ser completamente abafado pelo TCR series. Os promotores da competição sabem disso e estão a tentar arranjar uma resposta. A solução veiculada nos media nos últimos dias dizem que a Eurosport quer aproveitar os regulamentos da Class One de turismos, acordada entre o DTM e os Super GT japoneses para revitalizar o WTCC.

 A ideia da Class one era muito simples: consistia numa uniformização dos regulamentos técnicos do DTM, o espectacular campeonato de turismos alemão e os Super GT Japoneses. Na sua génese, os dois campeonatos são muito semelhantes;  Os chassis são praticamente iguais mas os motores são já peças bem diferentes, com os DTM a serem equipado com motores V8 de 4L e os SuperGT equipados com motores bi-turbo, de 4 cilindros com 2L de capacidade.

 O DTM sempre foi um campeonato tipicamente germânico e foram raras as marcas de fora da Alemanha que deram o passo para a categoria (o exemplo que salta à memoria são os imponentes Alfa Romeu 155). Neste momento é um campeonato constituído por apenas 3 marcas (Audi, BMW e Mercedes), cuja competitividade continua a ser a palavra de ordem mas que já não consegue dar tanto espectáculo como antigamente. Nos Super GT acontece um pouco o mesmo, pois apenas 3 marcas nipónicas militam na categoria máxima (Nissan, Honda e Lexus). A ideia de combinar os dois campeonatos segundo o mesmo conjunto de regulamentos poderia dar origem a um verdadeiro campeonato do mundo de turismos, com marcas de vários países e um calendário mais global.




O problema esteve no mercado norte-americano nunca viu com bons olhos este campeonato (nenhuma marca mostrou interesse), estando agora a apostar em força nos GT3 com o Pirelli World Challenge e as alterações aos regulamentos do IMSA com a entrada dos LMP2 e o abandono dos Protótipos, que foram usados até este ano. Os japoneses também mostraram-se indecisos, olhando para os GT3 como uma opção mais viável.

Assim, com este impasse a regulamentação Class One não passou de uma boa ideia que não avançou e que se encontra guardada na gaveta. É pelos vistos esta ideia que o WTCC quer reavivar, pegando nos regulamentos  e aplicando-os ao mundial de turismos, esquecendo a classe TC1 (a actual regulamentação termina no próximo ano) cujo sucesso é discutível e apenas atraiu 4 marcas: Honda, Lada, Citroen e Volvo.

Para já nem a FIA nem a Eurosport adianta o que quer que seja. Houve uma proposta apresentada às marcas mas sobre a proposta e a resposta das marcas nem uma palavra.

Para a FIA e a Eurosport seria um excelente golpe de asa. O WTCC precisa como de pão para a boca de novas marcas para relançar o campeonato e a FIA quer que o seu campeonato do mundo de turismos seja espectacular e atractivo.

O grande problema está nos custos. Uma época actual do WTCC custa à volta de 1 milhão de euros (apenas o motor custa 250 mil euros por ano) e têm sido vários os pilotos a sentirem dificuldades para arranjarem o financiamento e embora a ideia da Class one seja uma espécie de DTM mais barata, com um motor mais pequeno (a regulamentação prevê um 4 Cilindros 2.0L turbinado , um pouco à semelhança do WTCC que usa um bloco mais pequeno) é difícil de ver como a competição poderá ser mais barata que a regulamentação actual.

A Eurosport tinha como objectivo cortar em 200mil euros os custos do WTCC para 2018 de forma a atrair mais interessados mas com esta ideia vai tornar-se difícil. Apenas com o forte apoio das marcas é que este plano faz sentido, pois apenas estruturas fortes poderão ter capacidade de colocar em pista máquinas deste calibre. E se já há várias marcas com a base preparada para o fazer (o caso das marcas do DTM e Super GT) outras como a Volvo, a Lada e a Citroen teriam de fazer tudo desde início, o que significaria quase pela certa a saída da marca francesa e da marca russa… E a Volvo teria de repensar tudo apenas 2 anos depois de ter entrado na competição, o que não é nada agradável. Mesmo a Audi não está certa se continuará com o seu programa de turismos  e a BMW está a preparar a entrada no WEC o que poderá determinar um desinvestimento nos turismos.

E há outro aspecto importante: o WTCC em formato Class one pode acabar com um dos factores que tornou o WTCC único e interessante… os pilotos privados. Muito dificilmente uma estrutura privada com a dimensão das equipas que agora estão no WTCC terá capacidade para enfrentar uma revolução deste género.

O WTCC atravessa uma fase decisiva (um entroncamento sem fim, como se diz por aí). Se não mudar os regulamentos será engolido pelo TCR, se mudar pode correr o risco de dar um passo atrás, não ter marcas interessadas no novo formato e perder os privados. A Class one pode ser a solução mas depende muito dos custos e do formato. É um passo arriscado que poderá significar uma volta de 360 graus… E para ficar como está não vale a pena gastar dinheiro.

Fontes: Spormotores & Touringcartimes.com

© Fábio Mendes
Chicane Motores para o CIVR
http://www.civr.pt/
« Last Edit: October 21, 2016, 14: 26 by Rúben Almeida »