Author Topic: Comandos em combate capturam líderes rebeldes  (Read 149 times)

0 Members and 1 Guest are viewing this topic.

Online Nuno Basto

  • TheBigOne014
  • Administrador
  • Lenda
  • *****
  • Posts: 14150
  • Liked: 483
  • Reputação: 42
  • Twitter - @TheBigOne014 | Twitch - TheBigOne_014
    • View Profile
  • Simulation Hardware: MOMO RACING RULES!!!!!
Comandos em combate capturam líderes rebeldes
« on: March 07, 2017, 12: 04 »

A força de comandos destacada na República Centro-Africana envolveu-se em intenso combate contra um grupo de rebeldes armados, conseguindo travar o seu deslocamento em direção a uma importante cidade, Bambari.

Na sequência dos combates, os comandos capturaram vários líderes rebeldes. A força rebelde constituía uma importante ameaça à população civil.

É a primeira vez que a força portuguesa é envolvida em combate direto desde a sua chegada àquele país, em janeiro, cujo processo de paz está a ser controlado pela força das Nações Unidas, a Minusca, onde os comandos se integram. E o comportamento da força portuguesa mereceu rasgados elogios do comandante da Minusca, o tenente-general Balla Keita, num documento oficial de louvor enviado ao destacamento comandado pelo tenente-coronel comando Mussa Paulino.

As tropas portuguesas não sofreram baixas e a sua ação, ocorrida na semana passada, esteve englobada na decisão do comando da Minusca, a cargo do general Balla Keita, de destacar para Bambari a força portuguesa, assim como outras tropas especiais da Minusca e dois helicópteros de ataque Mi-24, enquadrados na task Force Bambari, no âmbito da "Operação Batatere". No conjunto dos combates os atacantes sofreram um morto e sete feridos, sem baixas para as Nações Unidas.

A força rebelde, associada à Frente Popular para o Renascimento da República Centro Africana (FPRC), era composta por cerca de 40 elementos, armados com Kalashnikov AK47 e lança-granadas foguete RPG, segundo tinha destacado a Minusca em comunicado na semana passada. De acordo com o louvor assinado pelo comandante da Minusca, a força portuguesa confirmou a presença do grupo 5 quilómetros a norte de Bambari e bloqueou a estrada por onde se deslocavam.

Os comandos "envolveram-se em combate com o grupo rebelde e direcionaram os helicópteros de ataque contra os alvos" rebeldes, uma missão a cargo dos elementos de controladores aéreos táticos da FAP, que integram o destacamento. "O grupo armado foi obrigado a abandonar a área, sofrendo baixas e alguns dos seus líderes foram capturados pela força portuguesa de reação rápida", salientou o tenente-general Balla Keita, que destacou à força portuguesa "elevado profissionalismo e empenhamento", "prontidão operacional e excelente performance".

O comando da força das Nações Unidas já tinha avisado por várias vezes a FPRC que não iria admitir grupos armados em Bambari, um dos pontos mais quentes da República Centro Africana e que iria usar a força se necessário, para evitar consequências nefastas na população civil, apanhada nos confrontos entre grupos armados.

A Minusca tinha inclusive feito saber em comunicado, no dia 17 de fevereiro, em jeito de aviso geral, que tinha "reforçado o seu dispositivo em Bambari, com a chegada de forças adicionais, das quais a força de reação rápida portuguesa e forças especiais do Bangladesh".

Recorde-se que na entrevista ao JN, publicada na edição de hoje, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, alertava para a delicada situação na República Centro-Africana e para o importante papel "desempenhado pelas nossas forças do Regimento de Comandos". O destacamento português é composto por 160 militares, maioritariamente do Exército, dos quais 90 comandos, que constituem a força de manobra, e quatro elementos da Força Aérea, controladores aéreos táticos.


Leia mais: Comandos em combate capturam líderes rebeldes http://www.jn.pt/nacional/interior/comandos-abrem-fogo-e-travam-rebeldes-armados-em-missao-da-onu-5706448.html#ixzz4adnF4p12
Follow us: jornalnoticias on Facebook